Cerca de 300 produtores rurais e técnicos debatem avanços e alternativas para o setor

Cerca de 300 produtores rurais e técnicos debatem avanços e alternativas para o setor

Aproximadamente 300 produtores rurais estiveram reunidos (dia 11) para debater a agricultura familiar sorrisense. O encontro que reuniu agricultores dos Assentamentos Jonas Pinheiro, Santa Rosa, Projeto Casulo e a equipe técnica da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente (SAMA), da Prefeitura Municipal, salientou os avanços da área em 2017, com a implantação de programas como o Frutifica Sorriso e o Vitamel, além do fortalecimento do Mais Leite, Horta Viva, Serviço de Inspeção Municipal (SIM) e dos serviços da patrulha mecanizada.

O responsável pela SAMA, Sardi Trevisol, pontuou que 42 famílias do Jonas Pinheiro, Projeto Casulo e do Cinturão Verde estão cadastradas no programa Frutifica Sorriso, destas, 20 famílias já realizaram o plantio de banana, abacaxi, manga, goiaba, romã e coco em uma área de 62 hectares. Para integrar o projeto, os produtores adquirem as mudas e o equipamento para irrigação e a Prefeitura fica responsável pela construção dos reservatórios de água e a assistência técnica. “Para 2018, nossa meta é repassar aos agricultores uma despolpadeira de frutas e apoiar a implantação de uma indústria de doces”, explica Trevisol.

E para quem quer diversificar ainda mais a produção, há o programa Vitamel. 40 produtores do Jonas Pinheiro já realizaram duas colheitas de mel comercializadas no mercado local só neste ano. O Vitamel oferta treinamento e assistência técnicas aos produtores. Para participar do programa, os produtores precisam instalar por conta própria a primeira caixa para acomodar as abelhas. Na sequência, a SAMA doa as caixas. Até agora, 150 caixas já foram distribuídas.

Segundo Trevisol, o objetivo da Secretaria para o próximo ano é cadastrar os produtores da Casa do Mel no Serviço de Inspeção Estadual para que o mel sorrisense possa ser comercializado em todo o Estado.

Presente no evento o vice-prefeito, Gerson Bicego, destacou o incremento aos programas Horta Viva, Mais Leite e SIM. Bicego salienta que 60 produtores, filiados a cooperativas e associações, contam em suas propriedades com o projeto “Horta Viva”. Juntos, eles são responsáveis por 50% dos hortifrutis servidos na merenda escolar.

O tomate, a cebola, abobrinha, batata, alface, abacaxi, banana e o cheiro verde que dão o toque especial às refeições dos estudantes da rede municipal, são cultivados com carinho pelas famílias sorrisenses, como a do seu Ivaldino Hahn. Conforme Hahn, o apoio prestado pela SAMA é fundamental para garantir a qualidade da produção. “Nós dependemos do apoio e assistência técnica ofertada pela Secretaria. Esse direcionamento no momento da produção e colheita faz toda diferença”, complementa Hahn.

Além da merenda, a produção local é comercializada nas feiras do município. As frutas e legumes fresquinhos são produzidos no Jonas Pinheiro, Cinturão Verde e Projeto Casulo. O vice prefeito, Gerson Bicego salienta que um dos objetivos da Administração Municipal para o início de 2018 é implantar um banco de calcário e de adubo orgânico para uso dos produtores cadastrados no projeto.

Outro programa de destaque é o Mais Leite. Segundo o prefeito Ari Lafin, cerca de 60 produtores cadastrados do Jonas Pinheiro, Cinturão Verde e Projeto Casulo contam com a assistência técnica da SAMA para o Mais Leite. “Além dos serviços da assistência veterinária especializada, os agricultores tem a seu dispor os serviços da patrulha mecanizada, essenciais na fabricação de silagem, correção do solo e plantio”, destaca Lafin.

Mensalmente, cerca de quatro mil litros de leite são comercializados em laticínios locais e na forma de derivados como o queijo. Anualmente, os agricultores levam seus animais para a já tradicional competição do “Torneio Leiteiro”. “Estamos trabalhando para inaugurar e passar a operar a Usina de Beneficiamento do Leite no Assentamento Jonas Pinheiro, o que irá agregar valor aos produtos da bacia leiteira para 2018”, frisa o prefeito.

“E na linha final, para valorizar a toda a produção da agricultura familiar, a Prefeitura regularizou e instituiu há seis anos o Serviço de Inspeção Municipal (SIM)”, pontua Lafin. Atualmente, cinco empresas atuam com o selo. Entre elas, estão empresas rurais de beneficiamento de leite, mel, embutidos e o um entreposto de ovos. Com o selo de qualidade, os produtos são comercializados no mercado local. “Nossa intenção é capacitar mais produtores no SIM”, acrescenta o prefeito.

Para auxiliar todos os produtores, a Administração Municipal disponibiliza patrulhas mecanizadas. Diariamente, duas patrulhas cedidas para o Assentamento Jonas Pinheiro atuam no local. Além de uma terceira, da Prefeitura que dá apoio aos trabalhos no Assentamento. Outra patrulha, atende o Distrito de Boa Esperança, com cuidado especial ao Assentamento Rosa. E para auxiliar os produtores do Cinturão Verde do Projeto Casulo, há mais uma patrulha há disposição.

Cada patrulha é composta por um trator, uma carreta agrícola para trator, uma grade aradora e um distribuir de calcário. E além disso, a Sama disponibiliza um caminhão boiadeiro para o transporte de animais. “Hoje também disponibilizamos mais uma patrulha mecanizada, adquirida com recursos próprios, que ficará á disposição da APOS (Associação dos Produtores de Orgânicos”, destaca Lafin. “Além da patrulha, hoje disponibilizamos uma sala especialmente aos produtores rurais para comercialização permanente da produção”, disse.

Para garantir a legalidade de todas as ações, a Administração Municipal conta o apoio do Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável, que avalia cada ação junto com a equipe técnica.

Além da entrega da nova patrulha mecanizada e da disponibilização da sala para a comercialização dos produtos da agricultura familiar, também foi assinado ontem (11), um convênio de cooperação técnica entre a SAMA e o Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), voltado para a agricultura familiar.

Também participaram do encontro, representantes do Clube Amigos da Terra (CAT), da Empresa Mato Grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e do IFMT, que atuam como parceiros dos serviços prestados pela SAMA, disponibilizando assistência técnica para os produtores de maneira conjunta com a equipe técnica da Secretaria.

Por Cláudia Lazarotto/Jornalista