Cientistas fazem batata resistir ao calor

Cientistas fazem batata resistir ao calor

Pesquisadores da Universidade de Erlangen-Nuremberga, na Alemanha, desenvolveram uma técnica que pode fazer com que a batata resista ao calor. Isso porque se a temperatura aumenta, o chamado "RNA pequeno" bloqueia a formação de tubérculos. 

Os cientistas já desativaram com sucesso este pequeno RNA e produziram plantas de batata que são mais resistentes a altas temperaturas, o que é uma contribuição importante para garantir a produção agrícola no futuro, à luz da mudança climática. Agora eles apresentaram seus resultados na revista  Current Biology  publicada pela Cell Press. 

Junto com milho, arroz, trigo e mandioca, as batatas são um dos alimentos básicos mais importantes do mundo. Maiores rendimentos podem ser obtidos a temperaturas moderadas, o que significa cerca de 21ºC durante o dia e 18ºC durante a noite. Nessas temperaturas e na duração correta do dia, forma-se uma proteína que induz a formação de tubérculos denominada AUTOPROPUNÇÃO 6A (SP6A). 

"Até agora, o mecanismo que impede a tuberização em altas temperaturas não era conhecido", explica o professor Dr. Uwe Sonnewald, residente de bioquímica da universidade. Com sua equipe de pesquisadores, o Prof. Dr. Sonnewald descobriu um pequeno RNA que compreende cerca de 19 nucleotídeos e que regula a formação de tubérculos em função da temperatura, que está inativo em baixas temperaturas. Se as temperaturas aumentam, bloqueia a formação de SP6A e, portanto, a formação de tubérculos. 

Na segunda fase, os cientistas criaram plantas de batata nas quais o efeito do pequeno RNA foi desativado e as plantas foram expostas a altas temperaturas na estufa. O resultado foi que essas plantas continuaram a produzir tubérculos de boa qualidade, mesmo em temperaturas acima de 29 graus durante o dia ou 27 graus durante a noite. 

Por: AGROLINK -Leonardo Gottems/Foto DP.