Falta de chuvas atrasa plantio de soja em Mato Grosso, diz Imea

Falta de chuvas atrasa plantio de soja em Mato Grosso, diz Imea

Alguns produtores que já tinham iniciado o plantio decidiram fazer uma pausa à espera de chuva

 

A estiagem rigorosa está comprometendo o plantio de soja em Mato Grosso. Alguns produtores que já tinham iniciado o plantio decidiram fazer uma pausa à espera de chuva.

De acordo com o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), esse menor volume de chuvas até agora já causou o o atraso do plantio.

A previsão é que as chuvas fiquem mais intensas somente a partir da metade de outubro. Com isso, os trabalhos podem acelerar nas semanas seguintes, principalmente na região norte.

O gerente de Inteligência de Mercado do Imea, Cleiton Gauer, explicou que, nos anos anteriores, em torno de 30% a 35% do volume total da safra tinha sido comercializada até esse período e neste ano já foram vendidas cerca de 55% da produção.

"Com isso, a tendência é que o produtor comece a diminuir esse ritmo nos próximos meses até ter uma noção melhor do que vai acontecer no estado e da produção que ele vai colher”, afirmou.

A demanda externa pelo grão e a valorização do dólar foram os principais fatores que estimularam a comercialização antecipada da soja.

Em uma fazenda em Campo Novo do Parecis, que vai cultivar em mais de 51 mil hectares de soja, a semeadura do grão começou a ser feita, no dia 20 de setembro com o início das primeiras chuvas na região.

“Iniciamos o plantio no dia 20 de setembro plantando no pó (terra seca), na expectativa de que a chuva ocorresse, mas infelizmente não tivemos essa chuva ou tivemos pequenos volumes irregulares em algumas regiões que poucas áreas dessas germinarão. Tomamos a decisão neste momento de parar o plantio por questões de previsões que não são favoráveis de chuva nos próximos dias”, explicou Wagner de Ré, gerente da fazenda.

O grupo agrícola prioriza o inicio do plantio mais cedo, porque cultiva também o algodão na segunda safra, ainda em janeiro, mas em algumas áreas do estado os produtores preferiram não arriscar porque ainda não choveu o suficiente.

Muitos produtores já estão preparados para começar o plantio assim que tiver realmente. Para essa safra, os produtores se organizaram bem com os custos travados a sabendo quando e quanto vão comercializar.

Foram exatamente os bons preços no mercado que favoreceram um aumento de área de soja para essa safra. São mais de 10,2 milhões hectares a serem cultivados, o que representa um aumento de mais de 2% em relação ao ano passado.

As lavouras de soja estão crescendo sobre áreas que antes eram pastagens. Foi o que fez o produtor rural Gian Rogeri, no Distrito de Bom Jardim, em Nobres. Nessa safra 110 hectares de pastagem serão cultivados com soja. O agricultor investe na integração da lavoura com a pecuária.

“Esse ano é um ano que vem otimista com preços bons tanto pra soja, milho, então isso que nos motivou de fazer essa transformação da área que antes atendia a pecuária. A gente está com tudo preparado só esperando o tempo mandar chuva para a gente poder trabalhar”, afirmou.