Norte-americanos querem fazer compostagem de cadáveres

Norte-americanos querem fazer compostagem de cadáveres

Uma nova lei do estado de Washington permitirá que o falecido seja transformado em adubo e literalmente retorne à terra, na forma de compostagem. A lei, a primeira desse tipo nos Estados Unidos, autoriza uma "redução orgânica natural", isto é, uma "conversão contida e acelerada de restos humanos na terra". 

A progressiva foi aprovada no final de abril pelo Legislativo daquele estado e terça-feira foi sancionada pelo governador Jay Inslee, que, com um foco na mensagem ecologia, procura para ser o candidato democrata nas eleições presidenciais de 2020. A lei somente entra em vigor em maio do próximo ano. 

O processo de compostagem "oferece uma alternativa ao embalsamamento e enterro ou cremação, é natural, seguro, sustentável e resultará em economias significativas nas emissões de CO2 e uso da terra", disse Katrina Spade, uma das desenvolvedoras do projeto. 

A jovem foi apaixonada por essas alternativas há 10 anos e criou a empresa Recompose em Seattle, que desenvolveu um processo de compostagem humana que está quase pronto para ser comercializado. O processo se concentra em acelerar a decomposição natural do corpo, que é colocado em um recipiente, que serve como um caixão para o funeral. 

Lá ele é colocado com palha, aparas de madeira e alfafa, e as condições perfeitas de umidade e oxigenação são criadas para que as bactérias façam seu trabalho. "Tudo, incluindo dentes e ossos, se torna adubo", escreveu a Recompose, que monitora por 30 dias o processo de decomposição, que inclui a busca e extração de materiais não orgânicos, como marca-passo ou implante dentário. 

Por: AGROLINK -Leonardo Gottems/Foto R7