Conferência debate o desenvolvimento cultural em Lucas

Conferência debate o desenvolvimento cultural em Lucas

A Prefeitura de Lucas do Rio Verde promoveu na sexta-feira (21) a 2ª Conferência Municipal de Cultura. O evento foi organizado pela Secretaria Municipal de Cultura e Secretaria Municipal de Planejamento, por meio da Casa dos Conselhos.

O tema da conferência foi “A cultura como vetor de desenvolvimento econômico e social”.

O secretário-adjunto de Estado de Cultura, Geraldo Gonçalves da Silva, participou da conferência e ministrou palestra. “Tratamos do CPF da Cultura, as leis de conselho, plano e fundo de cultura, e a implantação do sistema municipal de cultura que é esse modelo de gestão que permite a continuidade das políticas públicas na área de cultura”.

Geraldo ainda explicou que “é importante o sentimento de pertencimento do que é a construção da política e plano de cultura. A cultura é transformadora de vidas, os projetos culturais tem impacto na educação, de bem-estar social, e isso é muito importante para a vida das pessoas. O planejamento permite buscar parcerias tanto nas esferas federal, estadual, nas empresas, tendo um bom projeto, você consegue angariar recursos até de instituições internacionais que fazem o apoio à ações culturais de transformação”.

O secretário municipal de Cultura, Marcelo Dal Berto, ressaltou que “a conferência é um grande momento para a cultura do município de Lucas do Rio Verde, foram discutidos vários tópicos em relação ao desenvolvimento da cultura, os interesses e propostas para os próximos anos”.

A conferência teve o objetivo de discutir a cultura do município nas dimensões simbólica, cidadã e econômica; propor estratégias para o fortalecimento da cultura como centro dinâmico do desenvolvimento econômico e social; promover o debate entre artistas, produtores, conselheiros, gestores, protagonistas da cultura, valorizando a diversidade das expressões e o pluralismo das opiniões; propor estratégias para democratizar o acesso dos habitantes de município à produção e à fruição dos bens e serviços culturais; propor estratégias para a consolidação dos sistemas de participação e controle social na gestão das políticas públicas de cultura; e aprimorar e propor mecanismos de articulação e cooperação institucional entre os entes federativos e destes com a sociedade civil.

Por Francieli Cela/Assessoria