Sindicatos patronais resistem as propostas do SITICOM

Sindicatos patronais resistem as propostas do SITICOM

O SITICOM-Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção e do Mobiliário da região Norte do Estado de Mato Grosso, com sede em Sinop, encabeça negociações com três importantes Sindicatos Patronais da região. Até esta data, dia 26 de junho, nenhum acordo coletivo de trabalho foi fechado, segundo seu presidente, Éder Pessine.

Com o setor das Cerâmicas as negociações foram iniciadas há dias atrás, mas não houve avanços significativos. A proposta do SITICOM tá na gaveta. Os patrões alegam que não têm como, devido aos reflexos da crise, reajustar os salários dos seus trabalhadores.

Já as negociações com o SINDUSCON-Sindicato das Indústrias da Construção do Estado de Mato Grosso, foram iniciadas no dia 13 de junho. Nesta data houve a primeira reunião, porém a proposta do SINDUSCON, que é de 3,98 %, de reajuste, está longe de ser aceita pelo SITICOM. Éder Pessine disse que as perdas salariais dos trabalhadores chegam a 12 % no período e que seria coerente o SINDUSCON oferecer pelo menos 8 %.

Com o SINDUSMAD- Sindicato das Indústrias Madeireiras do Norte de Mato Grosso, as negociações estão mais avançadas. Segundo Éder Pessine, o SITICOM colocou na mesa de negociações uma reposição salarial (da inflação) de 12 %. Já a diretoria do SINDUSMAD ofereceu 4,57 % divididos em duas vezes. Esta proposta não foi aceita pelos negociadores. Os representantes dos trabalhadores querem pelo menos 8 %. As negociações desta categoria foram iniciadas no dia 1º de maio em Sinop e devem avançar nos próximos dias, disse Eder Pessine.

Questionado sobre a demora, de ambas as partes, de chegarem a um acordo bom para todos, Éder disse que os empresários ainda alegam problemas de fluxo de caixa herdados da crise que assolou o País no ano passado.

Por: Edenir Vieira/da Redação.