Homem acusado de matar e deixar mulher enterrada por 24 anos morre em Sinop

Homem acusado de matar e deixar mulher enterrada por 24 anos morre em Sinop

Jairo Narciso da Silva, de 65 anos, responsável por matar a ex-esposa Luzinete Leal Militão, na época de 28 anos, e depois enterrado no banheiro de uma residência na Avenida das Itaúbas, no Jardim  das Palmeiras veio a óbito na tarde de ontem (05).

Jairo estava internado na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) da Avenida André Maggi, alguns dias depois de apresentar problemas de saúde não resistir e morreu.

 

O homem confessou o assassinato da ex-companheira para a Polícia Civil em Sinop e depois de quase 24 anos do crime, ele resolveu revelar a historia. Primeiro contou aos filhos e após se entregou na delegacia. O crime, de acordo com a justiça, teria prescrito.

 

A motivação, segundo a polícia, seria um ataque de ciúme. O aposentado golpeou a vítima com uma barra de ferro e depois asfixiamento e enterrou o corpo no banheiro da casa onde viviam, que estava em obras.

 

O episódio ocorreu no dia 18 de outubro de 1994. Três dias depois, ele foi voluntariamente à delegacia e registrou um comunicado de abandono de lar pela esposa (leia o documento abaixo), que, segundo ele, teria ido embora de casa e o deixado com seus dois filhos, de 6 e 10 anos de idade – até hoje, eles acreditavam na história do pai e foram surpreendidos com a confissão.

 

De acordo com Leandro Valendorf, perito que atua no caso, Jairo cometeu o crime enquanto Luzineide dormia. Primeiro, atacou-a com golpes de pé-de-cabra, deixando a vítima inconsciente. Após perceber que a mulher ainda respirava, tapou sua boca e narinas com algodão. Como o banheiro da suíte do casal estava sendo reformado, o aposentado cavou um buraco profundo no chão, onde depositou o corpo da mulher em posição fetal. “As escavações duraram cerca de três horas. A profundidade escavada foi de aproximadamente 65 cm”, disse Valendorf a VEJA.

 Fonte: Visão Notícias