ONU diz que a fome na África continua aumentando

ONU diz que a fome na África continua aumentando

Novos dados apresentados no relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), chamado de “Visão geral da segurança alimentar e nutricional em África Regional”, mostram que 237 milhões de pessoas na África sub - Saariana sofrem de desnutrição crônica, ameaçando o progresso na últimos anos, o que significa que a fome no continente continua aumentando. De acordo com o relatório, as evidências indicam que, em 2017, 20% da população africana estava desnutrida. 

"O agravamento da tendência na África deve-se às difíceis condições economicas globais e à deterioração das condições ambientais e, em muitos países, à variabilidade do clima e dos eventos meteorológicos extremos e conflitos, por vezes combinados. O crescimento econômico desacelerou em 2016 devido ao fraco preço das commodities, particularmente petróleo e minerais. A insegurança alimentar piorou em países afetados por conflitos, muitas vezes agravados por secas ou inundações”, diz o texto. 

Dos 257 milhões de pessoas que sofrem de fome na África, 237 milhões estão na África subsaariana e 20 milhões no norte da África. O relatório anual das Nações Unidas indica que, em comparação com 2015, havia 34,5 milhões de pessoas subnutridas adicionais na África, das quais 32,6 milhões na África subsaariana e 1,9 milhão no norte da África. Quase metade do aumento no número de pessoas se deve ao aumento na África Ocidental, enquanto um terço vem da África Oriental. 

Em muitos países, especialmente na África Oriental e Austral, as condições climáticas adversas devido ao El Niño levaram a um declínio na produção agrícola e a preços mais altos dos alimentos básicos. A situação econômica e climática melhorou em 2017, mas alguns países ainda são afetados pela seca ou pela falta de chuvas. 

Por: AGROLINK -Leonardo Gottems/Foto DP