Pesquisa:Eucalipto altera desenvolvimento de larvas de anfíbios

Pesquisa:Eucalipto altera desenvolvimento de larvas de anfíbios

Os resquícios das plantações de eucalipto em lagoas perturbam e atrapalham o crescimento, desenvolvimento e respostas a predadores de larvas de anfíbios, foi isso que informou um estudo envolvendo pesquisadores do Conselho Superior de Pesquisas Científicas (CSIC), da Espanha. De acordo com Ivan Gomez Mestre, pesquisador da Estação Biológica de Doñana, os efeitos são acentuados pelo aumento da temperatura.

"Neste estudo nós investigamos o efeito que as plantações de eucalipto, originário da Austrália, mas exportado para todo o mundo, têm no crescimento, desenvolvimento e fisiologia de larvas de anfíbios. Para fazer isso, simulamos um cenário de aquecimento global no qual as larvas do sapo comum (Rana temporaria) teve de lidar com a presença de lixo de eucalipto em água e a presença de predadores nativos", comenta. 

Além disso, o pesquisador Paul Burraco, principal autor do estudo, afirmou que “o crescimento larval com folhas de eucalipto é reduzido e o desenvolvimento é retardado porque eles precisavam de mais dias para se metamorfosear com um tamanho corporal menor. As altas temperaturas aumentaram essas respostas. Além disso, a mera presença de lixo de eucalipto reduzida em grande parte a resposta a predadores, que, juntamente com alterações no crescimento e desenvolvimento, nos faz prever a sobrevida reduzida naquelas larvas que habitam lagoas cercadas por plantações de eucalipto”, indica. 

Nesse cenário, o efeito tóxico do eucalipto também se manifestou em menor consumo metabólico pelas larvas, embora não alterasse sua resposta imune ou seu sistema antioxidante. Em contraste, as larvas expostas a altas temperaturas mostraram desequilíbrios do sistema imunológico e de stress oxidativo a um nível celular, confirmando o custo fisiológico alto que o aquecimento global tem em anfíbios.

Por: AGROLINK -Leonardo Gottems/Foto DP.