Caminhoneiros bloqueiam ao menos seis pontos de rodovias em Mato Grosso

Caminhoneiros bloqueiam ao menos seis pontos de rodovias em Mato Grosso

Mato Grosso chega ao segundo dia de greve dos caminhoneiros contra o abusivo preço do óleo diesel com ao menos seis pontos de bloqueios entre as BR-346, BR-163 e BR-070. No final da tarde de segunda-feira, 21 de maio, o presidente Michel Temer reuniu-se com ministros para "buscar" uma "solução" quanto à alta do combustível e por fim ao movimento do transporte de carga que chega a 20 estados e no Distrito Federal. Uma reunião entre Governo e Petrobras deve ocorrer nesta terça-feira, 22 de maio.

De acordo com a Concessionária Rota do Oeste, há bloqueios no km 398 da BR-364 (Distrito Industrial) e no km 504 da BR-070 (Rodovia dos Imigrantes) em Cuiabá. Já em Rondonópolis o movimento é no km 119 da BR-163. Ao Norte de Mato Grosso na BR-163, ainda no trecho sob concessão da Rota do Oeste, há paralisação dos caminhoneiros no km 593 em Nova Mutum e nos kms 822 e 854 em Sinop.

Em todos os pontos de bloqueios das rodovias federais em Mato Grosso a passagem de veículos de passeio, ambulâncias, veículos de carga viva e perecíveis, além de ônibus, estão liberadas.

A principal pauta da greve dos caminhoneiros é quanto as constantes altas de preço do óleo diesel, que corresponde a cerca de 50% do custo de uma viagem.

Mesmo com o movimento grevista, iniciado nas primeiras horas desta segunda-feira, 21 de maio, a Petrobras anunciou que elevará os preços do diesel em 0,97% e o da gasolina em 0,9% nas refinarias nesta terça-feira, 22 de maio. O novo reajuste, sexto consecutivo, foi anunciado no site da petroleira.

Dados da Agência Nacional do Petróleo (ANP) apontam que o preço médio do óleo diesel nas bombas dos postos de combustível no Brasil acumula uma alta de 8% no ano. O valor está acima da inflação acumulada de 0,92% no ano, como apontado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Nesta segunda-feira, 21 de maio, o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco, teria afirmado ao blog do Valdo Cruz (veja aqui) que "Algo é preciso ser feito, sem mudar a política de preços e prejudicar a Petrobras". Moreira Franco teria salientado ainda que encontra-se na mesa de negociações a possibilidade de redução da cobrança de impostos sobre os combustíveis.

Fonte:Mato Grosso Agro/Assessoria.