Deputados dizem que projeto é "genocídio" e "PEC da maldade"

Deputados dizem que projeto é "genocídio" e "PEC da maldade"

Os deputados estaduais utilizaram parte da sessão  para criticar a possibilidade de extinção de 34 municípios em Mato Grosso por conta de um pacote de medidas do presidente Jair Bolsonaro (PSL) para alterar a Constituição e tentar melhorar a situação das contas do setor público.

O chamado “Novo Pacto Federativo” foi enviado ontem ao Congresso Nacional. Tanto o presidente da Assembleia, Eduardo Botelho (DEM), quanto a vice-presidente Janaina Riva (MDB) se mostraram contrários à proposta. 

“Esse projeto do Bolsonaro de reduzir alguns municípios com menos de 5 mil habitantes pode ter um impacto muito grande em Mato Grosso. Os deputados já estão preocupados com isso. Se for seguir a regra, talvez, em torno de 30 municípios aqui teriam que acabar. Isso é muito ruim. Nós lutamos para criar esses municípios e agora acabar com eles seria ruim”, disse Botelho.

Já Janaina disse que hoje as pequenas cidades do Estado possuem uma Saúde e infraestrutura um pouco melhor por conta de suas criações. “Como mato-grossense e como deputada estadual, sou contra e vou fazer um trabalho com nossos federais e senadores, porque Mato Grosso não vai perdoar aqueles que traírem os 34 municípios que dependem fortemente de sua composição política, sua estrutura política”, afirmou.

O deputado Valdir Barranco (PT) afirmou que as grandes cidades devem defender a proposta de Bolsonaro por conta de que podem ter acesso a um bolo maior do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) com a extinção de algumas unidades.

“O Governo Bolsonaro veio, literalmente, para rasgar a Constituição. A regra é clara, a Constituição é clara, a legislação é clara: você só retroage para beneficiar, para prejudicar nunca. Então, acredito que será um tema que não prosperará no cenário nacional. São quase 1,2 mil municípios no País. Imagina, ele querer voltar à década de 50”, ironizou.

Já Paulo Araújo (PP) chamou a proposta de Bolsonaro de genocídio e “pacote da maldade” por conta de outros temas que afetam os servidores públicos. “Uma violência, um genocídio. Um governo totalmente insensível às causas sociais”, disse.

“Queria manifestar meu repúdio, porque só na minha região são três cidades: Santo Afonso, Nova Marilândia e Porto Estrela. Vão para onde essas cidades? Vão cair dentro do Rio Paraguai e Rio Sepotuba? Um absurdo”, disse o deputado João José de Matos (MDB).

 Fonte:Mídia News/Painel