Banhada pelo belíssimo Rio Tapajós, Santarém pode ser visitada o ano inteiro.

Banhada pelo belíssimo Rio Tapajós, Santarém pode ser visitada o ano inteiro.

Banhada pelo belíssimo Rio Tapajós, ora de cor esverdeada, ora azulada, Santarém pode ser visitada o ano inteiro.

Destacamos que o período com maior número de praias fica entre os meses de agosto a novembro. Se a seca for longa, as praias ainda se estendem até janeiro.

É rota frequente para navios de cruzeiros nacionais e internacionais, temporada que vai de novembro a maio.

A infraestrutura turística é ampla, com hotéis ou pousadas para todos os bolsos e gostos; restaurantes com gastronomia local em ascensão; serviços de táxi ou aluguel de veículos de vários portes; e empresas de turismo com guias locais.

Devido às suas belezas naturais, Santarém é bastante procurada para convenções e eventos de esportes náuticos, como vela, laser e kitesurf, assim como competições de pesca esportiva.

O aeroporto internacional Maestro Wilson Fonseca possui locadora de veículo para retirada e entrega no mesmo local. Consultar os sites das companhias aéreas antes de adquirir sua passagem, se há oferta de desconto na diária.

Pontos Turísticos de Santarém

Destacamos a Igreja Matriz da Nossa Senhora da Conceição. A festa da padroeira é dia 08.12, e é uma ótima oportunidade de participar das festividades religiosas.

O Museu Centro Cultural João Fona já foi sede da Prefeitura, Câmara Municipal e Cadeia Pública.

A Praça Mirante do Tapajós é uma construção recente, com pontos de venda de guloseimas locais. Neste mirante, pode ser observada uma bela pintura natural: o encontro das águas do Rio Tapajós com o Rio Amazonas.

Santarém possui um calçadão em frente à cidade para quem curte uma atividade física ou para admirar o ir e vir dos barcos regionais. Em noite de lua cheia, a reflexo do astro noturno no Rio Tapajós, enche os olhos pela beleza.

Gastronomia de Santarém

O Rio Tapajós oferece pescado fresco, matéria prima para vários restaurantes regionais. Os peixes mais apreciados são charutos, filhote, tambaqui, tucunaré, pirarucu, surubim e sardinhas.

Experimente o açaí com as farinhas de mandioca ou tapioca, o piracuí (farofa de peixe), e os sucos e sorvetes das frutas da terra, como o muruci, castanha do Pará, açaí ou taperebá.

Outras opções refeição são as pizzarias e de massas, lanchonete de cadeia nacional, lanches diversos, comida japonesa, galeterias e os locais de venda de tacacá, outra delícia de origem indígena.

Recomendamos os restaurantes: Nossa Casa, Piracema, Peixaria Rayana, El Mexicano, Pizzaria Massabor, Don Mani Restaurante Pizzaria e Galeteria, Mutunuy, Bar e Restaurante Mascote, Daxa Pizza, Burger e Grill, e Sorveteria Nido.

As mais belas praias do Pará

Praia do Maracanã

Localizada no município de Santarém, fica em torno de 10 km do centro comercial. Por estar dentro da cidade, tende a ser lotada nos fins de semana. Mas não custa fazer uma paradinha para tirar umas belas fotos durante a semana ou dá um mergulho para se refrescar.

Praia de Alter do Chão

Prepare a máquina fotográfica! Conhecida como o Caribe Brasileiro, o local é uma explosão de cores: água esverdeada/azulada do Tapajós, areia branca, o verde da mata e o céu de um azul límpido.

A Vila de Alter do Chão fica a 38 km de Santarém. Acesso por estrada asfaltada, podendo sair direto do aeroporto, em ônibus e pela cooperativa de táxi que fazem esse trajeto.

Na praça principal, tem a Igreja Nossa Senhora da Saúde. Ao redor da praça e adjacências, há restaurantes, lojas de artesanato e de roupa de praia, farmácias, hotéis e pousadas.

No segundo fim de semana do mês de setembro, acontece o Festival do Çairé. A festa é uma mistura religiosa e profana. À noite, acontece a apresentação das agremiações dos botos Rosa e Tucuxi.

Destacamos dois locais imperdíveis em Alter do Chão: a Ilha do Amor e a praia do Cajueiro.

Para chegar à Ilha do Amor, em frente à praça principal, atravessa-se de barquinho na cheia, pagando uma módica taxa por passageiro. Na seca, pode atravessar a pé.

Na Ilha, as barracas de comida e bebida são bem servidas. Sugerimos experimentar os bolinhos de piracuí, charutinhos e o tucunaré frito na manteiga. Para quem curte uma cerveja gelada, sugerimos provar as marcas produzidas no Pará.

Para diversões aquáticas, há serviços de SUP, banana boat e caiaque.

A praia do Cajueiro fica dez minutos do centro da vila. Por ter uma faixa de areia maior, pode-se caminhar em sua extensão, até chegar a visão do rio principal, o Tapajós. Por ser mais tranquila, o local é ideal para idosos e crianças.

Dicas sobre Alter do Chão

Primeira dica: se você chegar antes do almoço e ver a praia lotada, combinar com o atendente logo que chegar o horário e tipo de comida que deseja.

Segunda dica: no final da tarde, e se o tempo estiver firme, pergunte onde fica o Centro de Atendimento ao Turista ou a praça Borari. Fica uns 5 minutos a pé da praia do Cajueiro. Desça para praia. Prepare-se para ver o maior espetáculo: um belo pôr-do-sol.

Terceira dica: Se tiver pique, pare na praça principal e tome açaí com farinha tapioca. Ou prove os doces feitos de frutas da região, como cupuaçu, castanha do Pará, entre outros.

Quarta dica: Se estiver em grupo de 3 ou mais pessoas, sugerimos contratar os serviços de passeio para outras praias próximas. Tem a opção dos barqueiros ou pelas operadoras de turismo. No caso dos barqueiros, acertar o tempo e as praias a serem visitadas, pois em algumas delas não possui nenhum de tipo de infraestrutura.

FLONA

A Floresta Nacional do Tapajós é explorada com autorização do Ibama e guia local, através de trilhas na floresta.

Recomenda-se o uso de roupas leves e calçados apropriados para trekking, filtro solar e repelente. Além disso, providencie as vacinas contra febre amarela, hepatite e tétano.

Consultar as agências de turismo, sobre horários, translado e preço do passeio.

Praia Ponta de Pedras

Famosa por suas imensas pedras que imergem no período da seca, a Praia de Ponta de Pedras fica a 35 km de Santarém. Acesso pela mesma estrada para Alter do Chão, com placa indicativa ao longo da via. A estrada vicinal é de piçarra, mas em bom estado de conservação.

O local possui boa infraestrutura com barracas, banheiros públicos simples e pagos. Vale a pena ficar na Barraca Sonho de Verão, no sábado, quando o movimento não é tão intenso, quanto no domingo que fica lotada.

Praia de Aramanaí

A 54 km de Santarém, seguir a Rodovia BR 163 Santarém-Cuiabá até a placa indicativa de entrada. A estrada federal tem ótima pavimentação, passando por vários campos de grãos, fazendas e pequenos lugarejos.

A praia possui restaurante com cardápio simples, mas de qualidade. Sugerimos experimentar a galinha caipira com pirão, ou o escabeche de tucunaré e os sucos naturais como o de murici.

Praia do Pajuçara

O acesso ao Pajú, apelido local, é pela Rodovia Fernando Guilhon, estrada de piçarra ao lado do muro do Aeroporto. Seguindo até uma bifurcação, dobrar a direita sempre na principal.

A praia é acessada através de propriedades particulares, dentre elas uma pousada, e a outra por um local de estacionamento de terra batida. Ambas do lado esquerdo da estrada principal.

Na praia, tem opção de barraca com bebidas e comidas, caso queira passar o dia.

Praia do Carapanari

No mesmo trajeto para a Praia de Pajuçara, ao chegar na bifurcação dobrar para esquerda. Para ter acesso à praia, sugerimos seguir as placas até o Restaurante Casa do Saulo.

Com a estrutura do restaurante, pode se deliciar com um almoço de ótima qualidade e curtir a piscina. Ou desça para a praia de beleza exuberante, e não se arrependa.

A Casa do Saulo tem eventos frequentes, que são divulgados nas redes sociais.

Belterra e Fordlândia

Henry Ford, visionário da indústria automobilística,  precisava de borracha para sua fábrica de veículos no início do século XX.

A Fordlândia foi seu primeiro projeto em 1927. Seguindo o modelo das cidades americanas, Fordlândia foi construída no meio da floresta com saída para o rio,  onde poderia escoar sua produção de borracha. Não deu certo. Hoje, as ruínas da cidade são motivo de visitação.

Para chegar a Fordlândia, as agências de turismo preparam o percurso saindo de Santarém ou de Alter do Chão, para grandes grupos, barateando o passeio.

Após esse fracasso, Henry Ford fez mais uma tentativa. Criou a cidade de Belterra, a 45 km de Santarém. Para chegar a Belterra faz-se o mesmo percurso para chegar em Aramanaí, avistando no lado direito da Rodovia BR 163, o Portal de entrada da cidade.

Na década de 1930, a cidade viveu seu apogeu. Por volta de 1940, o projeto da borracha foi encerrado, por conta da invenção da borracha sintética, que tornava mais barata a fabricação de pneu.

Esperamos que tenha gostado de nossas dicas e curiosidades sobre Santarém e arredores.

 

Por webcaldas.com.br